Nos Passos do MestreNos Passos do MestreNos Passos do Mestre
Formação

Conhecer-se mais, para amar-se mais!

Quem já não ouviu a frase que diz “Ninguém ama o que não conhece”. Essa é uma verdade que se fundamenta na experiência que temos nas relações, tanto humanas quanto espirituais. É relativamente fácil julgarmos nosso relacionamento com os outros, avaliando as dificuldades e facilidades.

Pois bem. Quando o foco sai do social e entra no nível individual essa tarefa torna-se mais árdua. Muito porque não percebemos a importância de nos relacionarmos conosco mesmos. Sim! É preciso que o ser humano se vincule consigo, para perceber suas dificuldades, mas sobretudo para identificar suas virtudes e dons. É preciso que reconheçamos Deus em nós mesmos e nos vejamos como o próprio Deus nos vê.

Santa Teresinha do Menino Jesus afirmava “Sou aquilo que Deus pensa de mim”. Quanta alegria deve invadir a alma de um discípulo de Jesus ao reconhecer-se amado pelo seu Senhor. Pois se Deus que é Deus nos ama com tudo que somos, porque há tantos casos e situações em que nos tornamos estranhos a nós mesmos?

Na maioria das vezes, o que conhecemos sobre nós é aquilo que os outros contam, resultados de situações passadas, presentes e expectativas futuras... Ou então conhecemos aquilo que idealizamos, superestimamos ou subestimamos, pontos utópicos ou superficiais, distantes da realidade do nosso eu verdadeiro. Falta-nos um olhar equilibrado e focado que distingue o que realmente revela nosso ser imagem e semelhança de Deus ou nossas tendências ao pecado.

Quantos pecados, o fazemos pela ação impulsiva... Há pessoas que gastam mais tempo tentando consertar os “estragos” causados por suas reações, do que propriamente “vivendo”. Há outros, porém, que vivem num mundo ilusório, julgando-se capazes de tudo, numa onipotência sufocante. E ainda outros que se escondem de tudo, em um sentimento de incapacidade, aprisionados por seus medos e vergonhas, não revelando aquilo que pensam, aquilo que sabem, aquilo fazem...Também há aqueles que não conseguem emitir opinião própria, e vivem por fazer aquilo que os demais fazem, cumprindo aquilo que os outros esperam de si, por mero comportamentalismo e não por força de vontade e livre arbítrio. Quantos e quantos tentam chamar atenção para si de diversas formas, num desejo de suprir carências afetivas...

Tudo isso, revela o quanto ainda somos limitados e precisamos de cura interior, pois muitas dessas atitudes não percebemos, ou se percebemos, não dominamos. Podemos estar sendo coadjuvantes de nossa própria vida, enquanto deveríamos protagonizá-la, buscando auto-domínio, maturidade e equilíbrio interior.

Num mundo onde o egoísmo se disfarça de amor próprio, rezemos ao Senhor, para que nos mostre o caminho para o autoconhecimento ordenado para o amor, e apure o nosso olhar para que nos reconheçamos como filhos amados de Deus, cheios de potencialidades, capazes de oferecer seus dons a missão que Ele mesmo nos confia.

Fraterno abraço,
Patrícia Teixeira
@patiteix
Psicopedagoga, membro do Tabor e Mais que Amiga NPM.


Evangelize
    
Login
Usuário
Senha
Facebook
Comunidade Nos Passos do Mestre © 2011 todos os direitos reservados www.nospassosdomestre.com.br - Desenvolvido por Tabor